O que são malwares e como proteger minha empresa?

Postado em  dezembro 8, 2021

Os malwares, também conhecidos como softwares maliciosos, são programas ou códigos prejudiciais para os sistemas computacionais. O malware pode invadir, danificar e até mesmo desabilitar os dispositivos.

Hoje, com a determinação a favor da integridade e segurança dos dados, é essencial implementar ferramentas para evitar ataques de malwares na empresa. A tecnologia, nesse sentido, tem um papel muito importante para prevenir cibercrimes e invasões nas redes da companhia.

Acompanhe a seguir e entenda o que são os malwares, quais prejuízos trazem para as empresas e o que pode ser feito para evitá-los. Confira!

O que são malwares?

Os malwares são programas que podem desativar todo o funcionamento de um sistema operacional. Geralmente, a presença desses programas comprometem o armazenamento dos dados das redes, afetando de forma negativa a operacionalização do sistema. 

Os hackers e cibercriminosos utilizam os malwares para roubar senhas, danificar arquivos e até mesmo tornar os equipamentos e dispositivos inoperantes. Os ataques de malwares causam diversos problemas e podem afetar a segurança das empresas a longo prazo.

Existem vários tipos de malwares, como ransomware, spyware, worm, entre outros. As violações dos malwares podem comprometer também a confiabilidade da organização em relação ao banco de dados. Os malwares muitas vezes atuam visando o roubo de informações confidenciais ou destruição de dados. 

Ao contrário do que se pensa, o vírus é basicamente uma forma de malware, que tem como intuito infectar e prejudicar um sistema ou um grupo de usuários. Malwares são códigos maliciosos, enquanto que vírus são códigos que se espalham por computadores e redes.

O malware pode danificar qualquer tipo de dispositivo e representa inúmeros níveis de risco para os usuários. Sistemas operacionais mais utilizados, como o Windows, são o alvo mais popular e comum de malwares. Computadores Mac também devem se prevenir de malwares, mesmo que a incidência de ataques nesse sistema operacional seja consideravelmente menor quando comparados ao Windows.

Como os malwares funcionam?

A maioria dos malwares são discretos e coletam informações dos sistemas sem detecção pelo dispositivo. Existem alguns sinais comuns que apontam o ataque causados por malwares, deixando os discos rígidos mais lentos e, por vezes, inoperantes. 

São diversos os tipos de malwares e, por isso, é importante conhecer as principais características de cada software malicioso para proteger os dados da melhor forma. Como muitos tipos de malwares apresentam sintomas semelhantes, pode ser complicado identificar exatamente qual a variante.

Mas seja qual for o malware, é essencial tomar medidas urgentes para remover o programa do sistema o quanto antes, impedindo que ele se espalhe para outros dispositivos da rede. A melhor maneira de prevenir uma infecção é utilizar um software antivírus robusto.

Grande parte dos atuais programas de antivírus oferecem proteção contra malwares, mas os pacotes de softwares antimalware são mais indicados, pois contam com tecnologia específica para manter a segurança dos dados

Um bom software, portanto, é capaz de identificar malwares, como vírus, ransomware, spyware, worm, adware, entre outros. Veja a seguir quais são as características dos principais tipos de malwares e como cada programa se comporta nos dispositivos e redes.

Vírus

O vírus de computador é um tipo de código malicioso desenvolvido visando alterar a forma como o dispositivo funciona. O software se propaga de um computador para outro, a fim de executar o seu código. Nesse processo, o vírus pode causar efeitos inesperados e prejudiciais, como danificação a softwares e destruição de dados.

Ao infectar um dispositivo, o vírus permanece inativo até que o computador execute o programa que contenha o código malicioso. Quando o vírus entra em uma rede, ele pode roubar senhas, informações, registrar o teclado, corromper arquivos, enviar spam aos contatos de e-mail, entre outras ações.

O vírus é especialmente prejudicial para as empresas que lidam com uma grande quantidade de dados e precisa manter a segurança do sistema operacional.

Spyware

Já o spyware é um malware que pode infectar qualquer dispositivo, tendo acesso total às informações confidenciais, como senhas, dados bancários e identidade digital. O spyware se enconde enquanto registra secretamente informações e rastreia as atividades online dos usuários em computadores e demais dispositivos. Assim, o programa pode monitorar e copiar tudo o que é executado no sistema.

Algumas variedades de spyware também conseguem ativar as câmeras e os microfones dos dispositivos sem serem detectados. O software foi projetado para ser invisível, representando uma grande ameaça para os usuários. O spyware funciona como um perseguidor virtual que acompanha as ações do dispositivo enquanto coleta dados pessoais durante o processo. 

Adware

O adware é um malware que exibe propagandas e anúncios sem a autorização do usuário. Assim, o software torna o computador e a conexão mais lenta. Normalmente, o adware assume o formato de pop-up, que são janelas que abrem enquanto o usuário navega em determinada página da web

Esse tipo de programa precisa de atualização constante por meio da internet, impactando diretamente a qualidade da conexão. O adware, assim como o spyware, pode transmitir informações pessoais e dados da empresa para anunciantes, terceiros ou partes interessadas, sem autorização prévia. 

Worm

O worm, por outro lado, infecta o computador ou rede e ataca o sistema de segurança, abrindo a possibilidade para outros malwares mais perigosos invadirem o dispositivo. Assim como o vírus, o worm contém um código malicioso que se replica pela rede.

Os worms não precisam de um programa host para serem executados e propagados. Quando o worm entra no sistema, ele pode ser copiado diversas vezes e se replicar pela rede ou conexão, infectando todos os computadores e servidores que estejam mal protegidos ou com falhas no sistema de segurança.

Ransomware

O ransomware é outro tipo de malware que atua como um vírus sequestrador que age codificando os dados do sistema operacional, de forma que o usuário não tenha mais acesso. Assim, uma vez que os arquivos estejam infectados, o malware codifica os dados, bloqueia o dispositivo e solicita um valor para que o usuário acesse novamente os seus dados. 

Esse malware pode ser instalado por meio de sites maliciosos, links suspeitos recebidos por e-mail ou por instalação de aplicativos vulneráveis. O ransomware também pode surgir em links enviados via redes sociais, que é um dos canais mais utilizados atualmente para espalhar o malware.

Trojan

O trojan, ou cavalo de tróia, é um dos softwares maliciosos mais comuns. Ele consegue acessar os dispositivos disfarçado como um programa legítimo. Os hackers invadem os sistemas assim que o programa que contém o trojan é instalado no computador. 

Mesmo que o trojan simule alguma funcionalidade, na verdade ele abre portas para possibilitar outras invasões, como roubo de senhas e coleta de dados. A principal forma de propagação do trojan é por meio da internet, quando os usuários realizam o download de alguma ferramenta gratuita.

Quais prejuízos os malwares trazem para as empresas?

Os malwares trazem prejuízos reais para as empresas. Muitas vezes, o empreendimento precisa alocar recursos para recuperar as máquinas infectadas e combater os programas maliciosos. Além de que as fraudes e o roubo de informações pode acarretar em penalidades para o negócio.

A magnitude dos danos por malwares depende de alguns fatores, como a natureza dos dados armazenados e acessados pelo dispositivo. Em certos casos, uma infecção por malware pode ser imperceptível para o usuário, mas as consequências podem ser gravíssimas e irreversíveis. 

Nas redes e servidores corporativos, por exemplo, os malwares podem espalhar spams, roubar informações confidenciais e excluir permanentemente os dados do negócio. São inúmeros os impactos negativos que os malwares causam aos empreendimentos, por isso, a gestão deve se manter alerta sob qualquer incidente de softwares maliciosos. 

Empresas de diferentes ramos e tamanhos devem estar preparadas para lidar e se proteger de malwares. Para isso, é necessário utilizar boas soluções de segurança, que impedem a infecção no sistema. Sem isso, a companhia pode ter perdas financeiras significativas, ocasionadas pelas atividades e ações dos softwares maliciosos.

Confira a seguir quais são os maiores danos que os malwares causam às empresas.

Exposição, roubo ou perda de dados

Os malwares causam, no pior dos casos, exposição, roubo e até mesmo a perda de dados. O uso de criptografia pelos programas mal intencionados, como o ransomware, aumenta bastante a probabilidade de não recuperação dos dados, caso a empresa não conte com recursos de recuperação, como backup em nuvem.

Esses malwares são capazes de se propagarem pela rede e não dependem, necessariamente, de intervenção de hackers para que os ataques ocorram. Para evitar a situação, é importante contar com uma política de segurança da informação na companhia, boas práticas e ferramentas tecnológicas para manter a segurança e a integridade dos dados.

Lentidão na rede

Alguns códigos maliciosos atingem diretamente os servidores e as redes, sobrecarregando os discos rígidos dos sistemas. Por isso, os malwares acabam causando lentidão nos dispositivos e na conexão com a internet. A lentidão no processamento das atividades operacionais é o principal sinal de alerta quando o assunto é malware.

É importante, nesse caso, contar com um protocolo de segurança baseado em softwares antimalware robustos. Atualmente, existem diversas empresas especializadas que fornecem soluções neste tipo de proteção, voltados para servidores corporativos que costumam ficar vulneráveis durante a rotina de troca de informações. 

Contaminação da máquina

Os malwares infectam máquinas e dispositivos por meio de brechas já existentes no sistema. Eles podem ser transmitidos em segundo plano na forma de um arquivo corrompido ao acessar uma página da web suspeita. Quando executado, o malware se instala nos computadores, podendo se propagar com rapidez. 

Enquanto o malware permanece no servidor, ele se multiplica e pode atingir até a rede de outras empresas, como a de parceiros e clientes. O roubo de dados pessoais também pode ocorrer quando há ataques de malwares em sites que guardam dados sigilosos e confidenciais de usuários. 

Dificuldade de acesso aos arquivos

Alguns tipos de malwares, como o ransomware, são capazes de causar grandes transtornos aos usuários, como dificuldade de acesso aos arquivos. Com isso, o software malicioso pode apagar dados, capturar informações, alterar ou até mesmo impedir o funcionamento do sistema operacional. 

Uma vez ativo, o malware pode bloquear ou limitar o acesso às pastas, aos aplicativos e às unidades de armazenamento. Para liberar esses recursos, o malware costuma apresentar mensagens exigindo pagamentos. A mensagem pode conter ameaças e chantagens, sinalizando que os dados serão apagados ou publicados, caso o valor solicitado não seja repassado. 

Como prevenir ataques de malwares?

Todos os computadores e dispositivos infectados com algum tipo de malware podem representar um grande risco à segurança e privacidade do empreendimento. Hoje, as máquinas se tornaram uma ferramenta imprescindível para as atividades corporativas, e isso significa que a quantidade de invasões por malwares tem crescido no mesmo ritmo. 

Para isso, é importante se prevenir e contar com recursos robustos de segurança para manter a sua empresa livre de softwares maliciosos. Muitas vezes, não é simples detectar uma invasão por malware, uma vez que hackers e cibercriminosos desenvolvem os programas para serem indetectáveis.

Com algumas práticas e soluções, felizmente é possível se manter livre de ataques de malwares no negócio. Veja a seguir algumas dicas nesse sentido. 

Ter softwares sempre atualizados

É fundamental que os softwares estejam sempre atualizados com as versões e correções de segurança mais recentes fornecidas para os servidores. Assim, quando as novas vulnerabilidades forem descobertas, é possível resolver problemas e corrigir erros de forma mais ágil e eficiente. 

Fazer backup constante dos dados

Fazer backups em nuvem constantemente também é imprescindível para manter a integridade dos arquivos da empresa. O backup consiste em cópias de segurança que são alocadas em servidores baseados em políticas de segurança robustas. Com isso, o negócio não corre o risco de perder informações e sofrer com a violação de dados sensíveis e confidenciais.

Contar com ferramentas de monitoramento da rede

Com uma ferramenta de monitoramento da rede, a empresa pode visualizar as ações dos usuários e gerenciar o controle dos acessos aos dados. A tecnologia ainda evita que os documentos importantes da organização sejam obtidos por terceiros ou por pessoas mal intencionadas.

Os malwares são ameaças reais que podem colocar em cheque a credibilidade e a confiabilidade das empresas. Para evitar prejuízos ao banco de dados, os empreendimentos devem contar com uma gestão de dados rigorosa, com práticas e ferramentas tecnológicas robustas. Até porque os ataques podem perdurar por um bom tempo, impedindo o crescimento e trazendo diversas perdas para o negócio.

Gostou do conteúdo? Aproveite e compartilhe o post nas redes sociais para que mais pessoas fiquem por dentro dos riscos que os malwares causam!

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments